jusbrasil.com.br
15 de Setembro de 2019

10 razões para legalizar as drogas

Liberdade Juridica, Administrador
Publicado por Liberdade Juridica
há 5 anos

Por Juan Carlos Hidalgo [1]

1. A legalização colocaria fim a parte exageradamente lucrativa do negócio do narcotráfico, ao trazer para a superfície o mercado negro existente.

2. A legalização reduziria dramaticamente o preço das drogas, ao acabar com os altíssimos custos de produção e intermediação que a proibição implica. Isto significa que muita gente que é viciada nestas substâncias não teria que roubar ou prostituir-se com o fim de custear o atual preço inflacionado destas substâncias.

3. Legalizar as drogas faria com que a fabricação dessas substâncias se encontre dentro do alcance das regulações próprias do mercado legal. Abaixo da proibição, não existem controles de qualidade ou vendas de doses padronizadas.

4. O narcotráfico tem estendido seus tentáculos ao cenário político dos países. A legalização acabaria com esta nefasta aliança do narcotráfico e o poder político.

5. Legalizar as drogas acabaria com um fonte importante de corrupção, a qual aumenta em todos os níveis do governo devido ao fato de uma substancial parte de toda a classe de autoridades tem sido compradas, subornadas e extorquidas por narcotraficantes, criando um grande ambiente de desconfiança por parte da população quanto ao setor público de forma geral.

6. Os governos deixariam de desperdiçar bilhões de dólares no combate as drogas, recursos que seriam destinados a combater os verdadeiros criminosos: os que violam os direitos dos demais (homicidas, fraudadores, estupradores, ladrões etc).

7. Com a legalização se acaba com o pretexto do Estado de violar nossas liberdades civis com o fim de levar a cabo esta guerra contra as drogas. Grampos telefônicos, buscas, registros legais, censura e controle de armas são atos que atentam contra nossa liberdade e autonomia como indivíduos.

8. Legalizar as drogas desativará a bomba-relógio em que se converteu a América Latina, especialmente os países andinos, América Central e México. Isto tem levado a uma intervenção crescente por parte dos EUA, país que desde quase mais de uma década vem fortalecendo sua presença militar na região de uma maneira nunca vista desde o fim da Guerra Fria.

9. Em uma sociedade onde as drogas são legais, o número de vítimas inocentes produzidas pelo consumo e venda de entorpecentes seria reduzido substancialmente. Grande quantidade de pessoas que nunca consumiram essas substâncias ou que não estão relacionadas com essa atividade se veem prejudicadas ou perdem a vida devido as “externalidades” da guerra contra as drogas: violência urbana, abusos policiais, confiscos de propriedades, revistas e buscas equivocadas, entre muitos outros casos.

10. A legalização conduzirá a sociedade a aprender a conviver com as drogas, tal e como tem feito com outras substâncias como o álcool e o cigarro. O processo de aprendizagem social é extremamente valioso para poder diminuir e internalizar os efeitos negativos que derivam do consumo e abuso de certas substâncias.

[1] Juan Carlos Hidalgo é o analista político para a América Latina do Center for Global Liberty and Prosperity. Escreve frequentemente para os jornais americanos International New York Times, Miami Herald, Forbes, Huffington Post, New York Post, El País (Espanha), La Nación (Argentina), El Tiempo (Colômbia), El Universal (México), El Comercio (Perú), e El Mercurio (Chile). Atua como comentarista recorrente nos canais BBC News, CNN en Español, Univisión, Telemundo, Voice of America, Al Jazeera e Bloomberg TV.


Publicado originalmente no Portal Libertarianismo

458 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Me perdoe pela crueza do comentário;

Não usarei 10 motivos pra legalizar e nem tanto para proibir... Basta um: Tenha um filho, um irmão, um primo... um amigo dependente de qualquer tipo de droga (qualquer) pra perceber que não são os bens materiais que se destroem, se consomem; Mas sim o bem mais precioso que possuímos: nosso discernimento, nossa auto estima, nossa inteligência.

Basta você sentir falta de alguém que participava da sua vida, sua rotina pra perceber que um viciado não retorna mais da mesma maneira pro seu meio...

É lamentável que se pense nos milhões gastos, na corrupção e até nas vidas que se perdem. Mas pior é perceber a cegueira que nos assombra.

Se cada instituição, órgão e até família fazer seu papel acredito que o efeito devastador das drogas seria logo levado à níveis de exceção, e não de regra como alguns querem. continuar lendo

Realmente.
Só quem já viu os olhos do filho vermelhos e dilatados pelo uso de drogas, seu comportamento alterado, sua voz embargada, sabendo que ele não está em seu juízo perfeito, ciente de ele entrou nessa por escolha própria pois desde muito cedo teve todas as informações necessárias, pais presentes, amor, atenção e infância plena, só quem presenciou isso sabe o quanto dói e o quanto dá vontade de exterminar essa corja que fabrica e vende essa porcaria.
Nem todo drogado vem de um passado problemático, tem aqueles que experimentaram por curiosidade e sucumbiram ao seu poder.
Legalizar essa joça, é fornecer de forma ampla e facilitada a outros jovens a possibilidade de experimentar algo mais nocivo que o álcool e o fumo. É ofertar a eutanásia. continuar lendo

Aplausos, aplausos, aplausos! Muito racional, e sensível, o seu comentário Maurício Eler. Num país onde graaande parte da população mal consegue manter-se com os R$ 724,00 de um salário mínimo, defender que o que precisamos para resolver um dos grandes problemas sociais é legalizar as drogas, no mínimo é legislar em causa própria. Um pensamento egoísta e elitista. Basta ir dar um passeio pela periferia da vida e verificar que apesar de "legal", o comércio de cigarro e bebida alcoolica não tornou mais tranquila a vida das famílias em que pais e mães deixam de comprar o pão e o leite para sustentar seus vícios. Grande demagogia essa ideia. Talvez pensada depois do autor curtir aquele "barato" que, legal ou não, sai muito caro para a sociedade. continuar lendo

Parabéns Mauricio Eler, você acertou na mosca. continuar lendo

Esse "liberdade jurídica" é igual a emissora de 3ª categoria, que exibe reportagens de violência extrema apenas para ter ibope, no "liberdade jurídica", ele fica trazendo para discussão, temas de cunho quiméricos apenas para criar polêmicas e ser bastante comentado, ele deve ter algum interesse por trás disso. continuar lendo

Mas Maurício....seu pesar e perdas, se deram em plena proibição. Isso não o faz refletir sobre como proibimos ou se deveríamos continuara proibir ?

Não creio que "liberação" fosse o mais correto, mas estou convicto que o atual modelo (proibição total) nunca deu resultados.

Quem sabe algum tipo de mudança no sentido de trazer, de alguma forma, à legalidade o uso dessas substâncias enfraqueceria o tráfico, quem sabe o tornando inviável, o que reduziria drasticamente o número de mortes de adolescentes, além de poder canalizar todo o montante gasto com essa guerra para outras finalidades como a guerra contra outros crimes, por exemplo os contra a vida e contra o patrimônio.

Aliás, crimes esses que trazem muito mais pesar, como esse que lhe acomete. continuar lendo

Vejam os países onde as Drogas são legalizada. Índice de criminalidade baixa! até ai ok! Mas o que muitos não sabem, exitem lugares para as pessoas se drogarem, "clínicas", onde elas podem usar material descartável, um ambiente altamente tranquilo com profissionais trabalhando. Médicos,psicólogos, psiquiátricas enfim, profissionais que estão ali caso um viciado queira se tratar. E com esse método, de cinco viciados em heroína dois se "curam" e seguem o tratamento.Diminuindo, também, o índice de viciados!
E o Brasil, não está preparado para a legalização das drogas, o autor do texto tem toda razão nos dez motivos que ele aponta, mas ,infelizmente, aqui no Brasil não "rola". continuar lendo

Thiago Gussi,

Concordo com você, as pessoas criticam idéias que acreditam que poderiam não dar certo sem ao menos dar um voto de confiança. A história nos mostra que muitos que foram criticados, combatidos e exterminados por suas idéias que visavam melhorias na sociedade (Galileu Galilei, Joana D arc, Einstein, etc), na verdade estavam corretos e o futuro demonstrou isso. Acredito que o autor deve ter um mínimo de conhecimento sobre a matéria para expor seu ponto de vista e portanto, concordemos ou não, deve ser respeitado e como já foi dito anteriormente devemos expor nosso ponto de vista contrário de forma urbana. Não conheço o assunto como algumas pessoas que viveram e vivem este drama em suas famílias. É algo desesperador, cruel. Para o governo é mais fácil tratar o problema apenas como caso de polícia ao invés de investir em tratamento, prevenção e acolhimento desta imensa maioria de viciados e seus familiares. Quantas clínicas de qualidades mantidas pelo poder público existem no país? Pouquíssimas. Quem sabe quanto custa o tratamento em um clínica especializada e séria ?. Tenho um irmão incapaz para os atos da vida civil (IAVC), devido o uso de álcool. Já ficou em diversas clínicas, incluindo uma em Itapíra/SP, que acredito que hoje em dia o custo da mensalidade deve estar em torno de R$ 5.000,00. Na época ele possuía convênio e 80% do custo era coberto pelo convênio. Assim como o Governo não investe em ensino público de qualidade (vide os salários dos professores e a greve na USP que já dura quase três meses), privatiza tudo que é lucrativo para o capital que em gratidão o apoia nas eleições. Por isso Thiago, com todo o respeito, a mudança pelo voto não será também a meu ver, não ocorrerá, digo mudanças profundas que acabe com a alta concentração de renda para alguns (O economista francês Thomas Piketty aborda esta questão em seu livro capital no século XXI).
Voltando a questão das drogas, há muitas organizações não governamentais, igrejas etc que fazem um trabalho sério amenizando e até mesmo revertendo este processo. Parabenizo o Sr. Juan Carlos Hidalgo e a Instituição Liberdade Jurídica por trazer à tona este tema. Não sou advogado mas já ouvi vários relatos de acusado de tráfico que na verdade tiveram um flagrante forjado pela polícia e amargaram um processo injustamente. Quando a sociedade parar de ser hipócrita e oferecer reais condições de sobrevivência dignas para todos os que almejam prosperar e crescer talvez tenhamos um futuro melhor. continuar lendo

Bom saber que ainda existem pessoas na área do direito que se importam mais com o a dignidade da pessoa humana que com o dinheiro, parabéns!!! continuar lendo

Se depender de mim, podem fumar meio quilo de maconha por dia. Podem cheirar 50 pedras de crack por hora. Podem encher o intestino com 3 kilos de cocaína e tomara que estoure algumas para o cara ficar doidão. Extase pode chupar igual a bala azedinha. Estamos no país democrático onde o coletivo não importa. As necessidades individuais prevalecem sobre a necessidade do coletivo. Este pais é o Brasil. continuar lendo

Legalizando ou não o comércio de drogas continuará...
Amparado em todos as razões apontadas o mais certo seria legalizar logo!

Esse sofrimento é passageiro, essa vida é breve. Contudo isso foi devido as escolhas erradas que o filho, irmão e primo de qualquer um fizeram, e olha que o uso ou a venda de drogas é proibido, acredito que as pessoas gostam do errado, tente o certo agora. continuar lendo

Exatamente, eu tenho uma filha de 6 anos, como que eu vou dizer pra ela que é errado usar drogas, que faz mal e tal se estará legalizado??? ela vai ver os outros usando livremente e vai questionar porque é errado se é liberado??? não pensaram nisso pensadores??? sou totalmente contra a legalização, pois estamos falando de BRASIL e não de EUROPA, EUA, etc, é de BRASIL!!! acordem, mesmo sendo legalizada haverá o mercado negro e ainda não poderão coibi-lo pois a droga será de uso livre. Quem pensa que a liberação será benéfica ou vive no mundo da lua ou é drogado! Imagina o caos dos drogados usando livremente na rua, entre nós como é feito com o cigarro! continuar lendo

Explanação perfeita Mauricio! continuar lendo

Acabou com os fundamentos do artigo. heheh continuar lendo

Parabéns pelo dito Mauricio.

Perdi meu irmão caçula para as drogas, mas esta perda não acontece no dia do falecimento, esta perda acontece durante anos e anos, ela é sofrida, ela braqueia os cabelos dos pais, ela nos envelhece, nos endurece, ver partir quem você ama, um pouco a cada dia, cada vez mais perdido mais distante, você passa por momentos em que acha que vai funcionar que var dar certo desta vez, mas não dá.
Quem defende a droga, ou é usuário, ou nunca perdeu ninguém que amasse, as drogas sejam elas quais forem, não servem a ninguém que não aqueles que a tem como fonte de renda, todo restante da população apenas sofre com os seus efeitos.
é muito triste ver tantas vozes se levantarem para defender a liberação das drogas e tão poucas defendendo Saneamento, Educação, Segurança, Saúde, Cultura, Empregos é isso que nosso pais está precisando, todo resto é chover no molhado. continuar lendo

Maurício, a proibição não vai salvar o meu filho, irmão, primo, o acesso é tão fácil quanto se fosse liberado. A guerra as drogas consome recursos de toda a nação, nossos impostos sustentam todo o combate as drogas e isso não impede que pessoas que queiram se utilizem de drogas não legalizadas. Talvez esse esforço e dinheiro empregados contra as drogas possa ser empregado no tratamento dos dependentes. Pesquise a respeito de países aonde algumas drogas são legalizadas e verifique os dados de usuários se aumentaram ou diminuíram. O uso de alguma substância deverá única e exclusivamente ser opção de cada indivíduo, todos nós sabemos os malefícios que causam e porque mesmo assim muita gente utiliza? Porque não tirar da mão do traficante a maconha que o usuário poderia plantar em casa para consumir sem que ninguém tenha alguma coisa a ver com isso? Perdi um familiar por causa desse conflito, tenho outros que estão indo para o mesmo caminho, mas de uma coisa tenho certeza, cada um escolhe o seu caminho. continuar lendo

Já vi isso diversas vezes amigo, as pessoas se tornam INÚTEIS nao trabalham, vivem na vagabundagem e sendo sustentados pelos pais. Roubam tudo que podem pra consumir as drogas e estes caras querem legalizar e portanto oferecer em larga escala para mais entrarem por este BURACO! continuar lendo

A questão é muito simples, Mauricio: quem quiser usar drogas vais usar, sejam elas proibidas ou não. continuar lendo

Se o senhor teve algum parente envolvido ou viciado em drogas, o problema foi muito mais agravado devido à sua proibição e o tabu que hoje se encontra implementado em nossa sociedade.

Se as drogas (todas elas, e não apenas as das farmácias), fossem regularizadas / legalizadas, com campanhas de prevenção e educação, a situação, estudos apontam, seria amenizada. É preciso tirar a questão das drogas da agenda policial e transferi-la para a saúde pública.

A cegueira da ignorância que nos assombra é realmente lamentável, triste e inescrupulosa.

Mas, espero, muito em breve isso será amenizado, com a definitiva regularização das drogas, que é questão de tempo até acontecer (queira ou não, é a evolução da sociedade humana, nos moldes até mesmo Darwinianos).

E, então, olharemos para o passado e ficaremos consternados com os atos ineficientes e irracionais que tomamos em relação ao problema. continuar lendo

Concordo com o Mauricio Eler, desculpe aos outros minha ignorância ao assunto, mas quando se trata de um amigo, irmão , família e companheiro (a) o assunto é bem mais precioso que qualquer coisa na vida, ter a droga liberada não vai mudar a ausência de uma pessoa querida causada pelas drogas, vcs não imaginam o que a droga causa numa família, a desestruturação de quem ama um filho, um amor , um amigo, não há gastos com segurança , corrupção que justifiquem a liberação das drogas, a liberação pode também constituir e liberar os jovens de 14 , 15 e 16 anos a consumir mais drogas, pois trabalhar não podem ,mas consumir drogas sim, e é essa a realidade do nosso Brasil, quantos jovens que tem acesso a droga e não precisa ser liberada pela policia . a mesma ja é liberada na própria casa onde vivem...pensem bem, analisem bem... cade o amor à vida...ao ser humano... por isso digo não às drogas...somente diz\em sim quem não teve ou não conhece o legado da destruição da mesma em um ser humano... fica a dica... continuar lendo

A pessoa que você perdeu por usar drogas fez uma escolha. A escolha errada dela não pode ser punição para todas as outras: a guerra contra as drogas mata muito mais! Cada um tem direito de fazer o que quer com sua vida, uma pena para a família, mas é verdade. É muito fácil culpar as drogas. Agora faça uma reflexão sobre todos os outros modos de estragar a vida de uma pessoa injustamente, como um acidente de carro por que o motorista está alcolizado; fast-food para as crianças que se tornam obesas... tudo é questão de escolha, seu parente/amigo fez uma escolha e você tem que respeitar isso. continuar lendo

Os maiores interessados na proibição são os próprios traficantes, eles tem influencia no governo e nunca permitirão a liberação pois acabaria com a reserva de mercado que hoje é deles. com certeza, temos que aprender a enxergar a realidade e a proposta acima é a solução para minimizar o mal que ás drogas faz a nossa sociedade. continuar lendo

Mauricio eler

"Se cada instituição, órgão e até família fazer seu papel acredito que o efeito devastador das drogas seria logo levado à níveis de exceção"

Então até hoje ninguém está cumprindo o seu papel corretamente, certo ?
os órgãos públicos estão errados em proibir, as famílias estão erradas em tratar o assunto com medo.
Certo !?

por que já está proibido "pela lei" a anos, e essa proibição até agora só gerou aumentos nos números, de usuários, de mortes, de prisões e de corrupção...

Da proibição ja conhecemos os resultados, se não gosta da legalização. qual a proposta ? continuar lendo

O uso abusivo de drogas deve ser tratado como problema de saúde pública, não como problema criminal.
Seu filho, seu primo, seu irmão estão sujeitos a se tornarem dependentes de substâncias químicas independente de sua proibição. Elas estão aí à venda em cada esquina. A questão é, como queremos que elas sejam vendidas? Por organizações criminosas que matam milhares de pessoas todos os anos ou por instituições sérias, contribuintes de tributos, sujeitas à fiscalização?
Ao invés de gastarmos quantias absurdas para combater o que não pode ser combatido, poderíamos estar arrecadando para poder investir na prevenção e no combate ao consumo abusivo.
"Ah, quem defende a liberação das drogas é um drogado....não se importa com as famílias de dependentes......nunca teve um problema de alguém vicidado na família"......isso tudo é blá, blá, blá de quem não tem argumento e não consegue enxegar a realidade que vivemos. O modelo atual simplesmente NÃO FUNCIONA, isso é fato e não tem que ser discutido. Não funciona aqui e em lugar nenhum do mundo. O que devemos discutir é o que deve ser feito de diferente daqui pra frente, e o caminho da legalização, na minha opinião, é o que se apresenta como melhor opção.
E não, não sou usuário de substâncias ilícitas. Sim, me importo e muito com as famílias dos dependentes químicos. E sim, tenho problema na família de dependentes de substâncias ilícitas e também lícitas. continuar lendo

Mauricio, você disse TUDO. Não tive nenhuma vivência com pessoas viciadas, mas imagino que deve ser algo terrível, cruel, que causa uma dor atroz, que machuca até alma. E o que é pior, muitas pessoas não poderão ser salvas. continuar lendo

Mauricio Eler

Não conheço a história de vida de sua família e nem do suposto alguém próximo a você que tornou-se viciado em alguma droga. Mas presumo que, muito antes desse alguém tornar-se um viciado, problemas o afligia. Muitas vezes tais problemas são de cunho íntimo, pessoal, ao qual a vítima não deixa transparecer às pessoas próximas. As drogas então tornam-se uma espécie de fuga para esses problemas, bem como são os antidepressivos para aqueles que possuem depressão ou os ansiolíticos para aqueles que sofrem de ansiedade. No fim das contas tudo é droga e todos nós, em maior ou menor grau, nos drogamos. Portanto, combater as drogas pode ser combater soluções. Devemos combater os problemas, não as soluções. Problemas estes que, como eu falei no início do comentário, são muito mais de ordem pessoal e psicológica do que toxicológica. continuar lendo

Não tenho Irmão usuário, Pelo contrario eu sou usuário a 5 anos...
Minha droga é conhecida por vocês como maconha....
Eu não me afastei de ninguém não comecei a roubar não deixei de ter princípios nem de diferenciar o certo do errado a matéria está correta eu sou um cidadão como você e meu direito de ser livre e de fazer minhas escolhas esta sendo privado todos os dias quando não posso plantar o que eu fumo na minha casa. Eu não vou deixar de ser usuário porque pessoas como você tem um extremo preconceito e acham que isso é uma doença.
sabemos que algumas drogas são e devem ser combatidas como crack só que você não tem noção que o crack é só uma cocaína em pedra...
Se Legalizassem a Maconha e a Cocaína que são as duas drogas mais consumidas pela população no mundo tenho certeza que o numero de usuários de não aumentaria não posso dizer muito sobre a cocaína não sou usuário. Mais com certeza te digo na Farmácia ninguém vai te cobrar com uma calibre 12... nenhuma criança vai ser prejudicada por traficantes que usam da lei de menores não serem criminosos para se beneficiar...
Na minha opinião ser contra a legalização é quase ser um assassino pois por sua causa muitos estão morrendo em uma guerra perdida e sem fim contra o próprio ser humano que já faz uso de drogas deis do inicio da civilização . continuar lendo

Ser contra o tratamento dado pelo Estado a esse problema não é ser a favor das drogas...Transferir essa responsabilidade ao Estado é puro comodismo e negligência familiar...Acreditar que a proibição resolva algo é uma ilusão de quem tem uma visão limitada sobre o assunto...Acreditar que o Estado possa resolver um problema desses é uma fantasia que muitos preferem acreditar, mas se olharem ao redor, verão que não está funcionando... continuar lendo

É triste ver a cegueira das pessoas envolvidas no meio jurídico. A falta de experiência de como funciona a vida numa periferia é lamentável.
Basta você sentir falta de alguém que se foi devido a guerra as drogas, cujo único crime foi ter nascido pobre, no lugar errado e estar saindo na rua para trabalhar. continuar lendo

Mauricio, meus parabéns! Nada de usar máscaras. São com os princípios certos e louváveis que Deus nós ensinou, que temos que enfrentar o problema das drogas e muitos outros que devastam as famílias em todo o mundo. E não com uma negociação com o mal. A vida e nem o futuro de ninguém pode ser negociado. Aceitar esses motivos e outros que se assemelham a eles, é desistir de nós mesmos e dos filhos que deixaremos para as gerações futuras. Quem defende isso, achando ter uma mente avançada, só revela a falta de compromisso com aquilo que é certo fazer. Pessoas que aceitam esse tipo de negociação, além de ignorantes, também declaram desinteresse em unir forças para construir uma nação melhor. Aceitam usar uma máscara. Que pena, a nação só perde quando alguém defende isso. continuar lendo

Andrea Meira, se você senti dor ao ver um filho drogado, creio que se sentirá aliviada vendo ele drogado e atrás das grades. É isso que você defende, polícia para resolver um problema de saúde pública. continuar lendo

Já ouviu falar na música cachimbo da paz, do Gabriel Pensador? Em um momento da música fala que pra comprar o cachimbo da paz (maconha) é mais fácil que comprar pão. E é completamente verídico, pois isso se acha em qualquer esquina! Outra que cada um tem livre arbítrio, ou seja, se for legalizado não quer dizer que você vai ser obrigado a usar! E pelo menos se for legalizado vai ser cobrado impostos, vai ter um fim lucrativo pro país e pra população! E até porque não tem mais nem cadeias por causa de tanta gente presa por conta do tráfico, não se tocam que isso dá muito dinheiro e que não vai acabar, esses lugares que estão sendo ocupados nas cadeias por traficantes estão tomando lugar de pessoas que cometeram crimes hediondos como homicídio e estupro, e esses criminosos soltos por aí! continuar lendo

Isso se chama livre arbítrio.Eu tenho 32 anos e nunca usei drogas,nem cigarro.Brasileiro tem a péssima mania em achar que o Estado deve controlar nossas escolhas.Se as pessoas querem usar drogas e ferrar com a saúde,problema é delas.E proibir e controlar nao inibe nada.E outra,liberar nao vai necessariamente elevar o consumo.Cigarro e álcool são liberados,e por acaso vc enche a cara de cachaça todos os dias? continuar lendo

Estamos é criando uma geração de loucos e alienados.

Porque não param e perguntam:

Por quê toda essa necessidade de se drogar?

Tratem as causas e não os sintomas. A humanidade está morrendo de tristeza, as pessoas buscam curá-la e acabam seguindo esses caminhos tortuosos.

Que tal buscarmos um mundo onde todas as pessoas sejam respeitadas e todas sejam importantes? Vamos abolir nosso sistema de castas, que produz tanta desgraças ao nosso modo de vida. continuar lendo

Acho importante questionar no: Por quê que as pessoas usam entorpecentes? continuar lendo

se drogam pois são fracas mentalmente, nao há outro motivo para isto. continuar lendo

Drogas nesse artigo se refere particularmente a que entorpecente ? A legalização da maconha sem sombra de dúvidas é benéfica ao Estado em diversos pontos. O mesmo conceito não se estende a determinados entorpecentes, como crack, cocaína, entre outros. Em que a legalização faria com que o acesso a essas drogas se tornasse mais fácil, o que não seria bom em nenhum ponto de vista. Legalizar a maconha, é defendida não só do ponto de vista do combate ao crime organizado, mas por ser uma droga mais branda se comparada a outras. Acredito que a legalização não deve se estender a todo tipo de entorpecente, se o texto se refere apenas a maconha, está impecável. continuar lendo

Caro Roberto, não sei qual a opinião do autor do texto sobre esse ponto específico - aliás, ele é costarriquenho, seria complicado perguntar a ele. Mas presumo que se refira a todas as drogas. Só para adicionar um ponto - e aqui é o administrador deste perfil que está falando, não o autor do texto - esse tipo de critério "mais branda/menos branda" não faz exatamente muito sentido. Até o começo do século XX a cocaína era vendida livremente em versões bem "light", por exemplo. As versões mais "pesadas" da droga vieram depois, como consequência da proibição e do surgimento do tráfico - é um negócio de risco, portanto compensa viciar o cliente.

De resto, essa diferenciação também esconde a principal questão relativa às drogas - elas são um problema de liberdade e responsabilidade individual. Se o indivíduo quiser enfiar crack na cabeça até não poder mais, o problema é dele. Desde que não prejudique a terceiros no processo, ele que assuma os riscos inerentes á escolha. continuar lendo

"Se o indivíduo quiser enfiar crack na cabeça até não poder mais, o problema é dele. Desde que não prejudique a terceiros"

Sempre irá ocorrer danos a terceiros. Creio que a legalização não impedirá os danos a família, por exemplo. Há amigos, há o empregador ou empregados, etc.

Nesse mundo globalizado de hoje é inevitável um efeito borboleta. continuar lendo

@Liberdade Jurídica: Complicado falar em liberdade uma pessoa que ao se viciar sai do seu consciente em escolher ou não tomar a próxima dose do entorpecente e atinge outros do seu meio que não podem falar "a escolha foi dele, as consequências também", como um irmão, pai, mãe, marido, esposa, filho, etc. Pergunto se alguém ao consumir alguma droga está conscientemente pensando "faço isso para me viciar mesmo". Se ao menos não saísse de seu estado consciente, logo, de liberdade, ok mas não é o que acontece. Sem contar que se torna um problema social pois o viciado,é sabido, precisará do financiamento de seu vício e quando acabar o dinheiro já sabem o que acontecerá. Neste quadro o estado vai "controlar" o consumo para que a pessoa não se vicie mas isso vai ser burlado pois o mercado negro vai oferecer o produto afinal vai ter demanda. continuar lendo

Acredito que o acesso as drogas nunca foi difícil! Qualquer um que quiser usar, encontra, de forma simples e fácil, porque o governo não consegue deter a comercialização. Então proibição não implica em absolutamente nada, no que diz respeito ao acesso. A legalização com certeza melhoraria esse cenário caótico que estamos enfrentando, onde os traficantes são mais temidos pela sociedade, do que eles temem as autoridades! continuar lendo

Qual a parte do "desde que não prejudique a terceiros no processo" que vocês não entenderam? continuar lendo

Sou plenamente a favor da legalização, concordo com todos os 10 itens mencionados acima, com mais um detalhe que considero importante, ou seja:

Mesmo antes de sua legalização poderia ser criada uma Lei que ao ser feita a apreensão fosse feita uma reserva "Técnica" que seria controlada pelas Secretarias de Saúde e a mesma fosse dada aos dependentes gratuitamente, evidentemente com acompanhamento médico e de psicologo, seguindo +ou- o que é feito com as drogas (remédios) distribuídos nos Postos de Saúde...deu para entender?

Gostaria, se possível que alguém fizesse um levantamento qual o montante de verba que o governo investe nos seguintes itens:
1º) No combate ao trafico;
2º) Delegacias especializadas de combate ao trafico;
3º) Corrupção das autoridades e policiais, etc
4º) Com a legalização haveria arrecadação de impostos que somados as verbas atuais daria para tratar da saúde de tantos quantos quisessem se tratar e deixar esse vício; continuar lendo

Joel, sua argumentação contraria toda a experiência adquirida até o momento, pelo amor. Pesquise os dados da criminalidade no Colorado após a legalização da maconha e se surpreenda. continuar lendo